Home Data de criação : 08/07/08 Última atualização : 15/02/18 19:19 / 223 Artigos publicados

Águias - Tipos de Bicos  escrito em quarta 18 fevereiro 2015 16:19

Blog de vidaselvagem :Vida Selvagem, Águias - Tipos de Bicos

O tamanho e a forma do bico dos rapinantes depende das presas que eles se alimentam.

 

A)     Pequenas aves, como o falcão-quiriquiri (Falco sparverius), têm bico curto, adequado para comer insetos, pequenos roedores, pequenos pássaros e lagartixas.

 

B)     O gavião-caramujeiro (Rostrhamus sociabilis) tem um bico longo e curvo para atingir o interior das conchas de caramujos. A espécie se alimenta quase que exclusivamente de grandes caramujos aquáticos conhecidos como aruás. Ocasionalmente também come pequenos caranguejos.

 

C)     De todas as águias, o abutre-das-palmeiras (Gypohierax angolensis) é o que tem hábitos alimentares mais estranhos. Não capturam presas, preferindo comer a polpa do coco, rachando-o com seu bico forte e afiado.

 

D)     A águia-do-mar-de-steller (Haliaetus pelagicus) tem um bico pesado e forte, para arrancar grandes nacos de carne. Essa bela águia se alimenta não só de peixes, mas também de carcaças

 

 

 

 

 

 

José Henrique Moskoski

Escritor e Pesquisador de Vida Selvagem

permalink

Grupos de Águias  escrito em terça 17 fevereiro 2015 15:35

Blog de vidaselvagem :Vida Selvagem, Grupos de Águias

Há quatro grupos de águias, classificadas em 59 espécies diferentes pelos zoólogos. Embora essas espécies se pareçam muito e comam o mesmo tipo de alimento, seus tipos são muito variados, mesmo dentro de um mesmo grupo: as diferenças são quanto ao tamanho, cores e padrão de penas. Com tais características e traços particulares, cada um destes animais tem sua beleza própria.

 

(A)   - As harpias, grupo integrado pelas águias maiores, vivem principalmente nas florestas e caçam mamíferos de médio porte como macacos e bichos-preguiça. Há somente seis espécies de harpia. A espécie da imagem é o gavião-real (Harpia harpyja).

 

(B)   - As águias-pesqueiras e as águias-do-mar também são aves grandes. Algumas de suas onze espécies vivem perto de lagos e rios; outras, perto dos oceanos. Comem principalmente peixes e pássaros aquáticos. A da imagem, a águia-do-mar-de-steller (Haliaeetus pelagicus) faz parte desse grupo.

 

(C)   - As águias-cobreiras, cujo tamanho varia de pequeno a médio porte, caçam cobras, mas também se alimentam de outros répteis, como lagartos e sapos. Existem doze espécies dessa águia, que vivem em florestas, desertos e campos. O espécime da foto trata-se de uma águia-cobreira-de-penacho (Spilornis cheela).

 

(D)   - As águias-de-botas, cujo tamanho vai de pequeno até grande, têm penas nas pernas, donde vem seu nome (note essa característica no detalhe). Neste grupo existem trinta espécies, vivendo em quase todos os cantos da Terra, em florestas tropicais ou nas montanhas. Na imagem a emblemática águia-dourada ou águia-real (Aquila chrysaetos), representante de “peso” do grupo.

 

 

 

 

 

 

José Henrique Moskoski

Escritor e Pesquisador de Vida Selvagem 

permalink

Especial - Águias em ataque  escrito em sábado 31 janeiro 2015 21:05

As águias estão entre os mais destemidos predadores do reino animal. Nessa incrível seletiva de vídeos conseguimos ter noção da diversidade de animais por elas atacados. Esses rapinantes investem tanto para capturar determinadas presas quanto para defender seu território de bichos que inadvertidamente os invada.

É uma temeridade ver essas incríveis aves atacarem ursos e até o próprio homem quando se aproximam de seus ninhos.

Inteligentíssimas, as águias quando não têm força o suficiente para dominarem certas presas “apelam” para o chamado jogo sujo. Isso mesmo. Na sequência do filme observamos uma águia-dourada atacando um cabrito-montês (que é uma presa bem grande para ser imobilizada). Como estratégia de ataque a ave de rapina precipita a desafortunada cabra penhasco abaixo. Depois; calmamente a predadora se alimenta da presa estatelada.

Realmente incrível!







José Henrique Moskoski

Escritor e Pesquisador de Vida Selvagem

permalink

Especial - Ataque de gavião-real  escrito em sábado 03 janeiro 2015 21:41

Observe a impressionante investida de uma harpia contra um pobre bicho-preguiça.

As águias são estrategistas e ao mesmo tempo predadoras oportunistas.  Sabe-se que certas espécies para abater grandes presas são capazes de artifícios inimagináveis. Os gaviões-reais (Harpia harpyja) sul-americanos, por exemplo, perscrutam do alto o dóssel florestal à procura de qualquer bicho incauto. Suas vítimas mais frequentes são primatas, mas não desperdiçam qualquer chance que apareça. Dentre suas presas habituais estão macacos-bugios, preguiças, caiararas, quatis, grandes-serpentes e até mesmo gatos-do-mato.

Quem pensa que a preguiça é uma simples presa, engana-se. Apesar do jeito lerdo, ela é munida de grandes garras que servem para firmá-la aos galhos e também a auxilia a se defender. Além disso, sua pelagem ajuda-a a se mimetizar de forma quase que perfeita ao habitat. Contudo, a harpia com sua “visão de águia” é capaz de identificá-la em meio à copa das árvores no momento em que se move. Aí basta a rapinante cair sobre ela como uma flecha, agarrá-la com as fortes garras e levá-la pelos ares.

Pronto! O almoço está garantido pra grande águia.







José Henrique Moskoski

Escritor e Pesquisador de Vida Selvagem

permalink

Introdução - Águias / Predadoras Altivas  escrito em domingo 28 dezembro 2014 12:43

Blog de vidaselvagem :Vida Selvagem, Introdução - Águias / Predadoras Altivas

A harpia, gavião-real ou uiraçu-verdadeiro é a mais pesada águia que existe e também das maiores. A espécie chega a pesar até 10 kg e a ter 2,5 m de envergadura. Em matéria de força não tem pra ninguém... É, sem dúvida, a mais robusta das grandes águias com pernas curtas e grossas que se assemelham a punhos humanos e dedos extremamente fortes munidos de garras afiadas de 6 centímetros. “Alterofilista” do mundo das aves é capaz de içar animais do porte de um carneiro. Espécime fotografado empoleirado em recinto do Zoológico de São Paulo – SP.

Os rapinantes (grupo nos quais águias, falcões e gaviões se reúnem) são seres extraordinários; capazes de feitos inimagináveis. Essas belas aves têm por característica principal o olhar penetrante – se uma harpia, por exemplo, olhar pra você, certamente você terá uma sensação de arrepio. Sentir-se-á como uma presa, tal é a intensidade da “encarada”.

As águias são predadoras de emboscada muito eficazes no ato de atacar e matar; ou seja, quando uma delas resolve partir para o ataque esteja certo que muito dificilmente ela retornará de “mãos abanando”.

Essas predadoras de elite do reino animal colonizaram os mais diversificados habitats do planeta. Algumas vivem em áreas de penhascos, já outras preferem gélidas zonas de tundra. Havendo ainda aquelas que habitam as zonas de matas tropicais. Porém, independentemente do local em que vivam uma coisa é certa: essas aves atacam bichos que até deus dúvida que sejam capazes de dominá-los.

Dentre essas exímias caçadoras, podemos dar destaque para algumas delas...

Nas regiões montanhosas da Ásia já se observou águias-douradas predando antílopes, raposas e até mesmo lobos; porém o que mais impressionou a cientistas que faziam parte de uma expedição foi o fato de terem visto uma dessas águias atacando um filhote crescido de urso-pardo quando esse acompanhado de seu irmão e sua genitora escalava uma íngreme escarpa. A águia simplesmente atacou, apanhou o filhote e o levou pelos ares, sem dar nenhuma chance de proteção à pobre ursa. Temeridade essa, não?!

Também é impressionante como diferentes espécies de águias-do-mar ou águias-pesqueiras utilizam da habilidade para apanhar suas escorregadias presas. Pousadas em um estratégico poleiro de observação, as águias-pescadoras espreitam o imenso lago atentas ao menor sinal da presença de algum peixe próximo à superfície. Sua excelente visão as permite detectar uma presa a dezenas de metros de distância e uma vez localizada, a predadora alada para lá converge de forma rápida e silenciosa, fisgando firmemente o peixe com suas garras que se assemelham a punhais. Por fim, se dirigem a alguma árvore próxima da margem para lá dar cabo da vítima que por mais que se debata não consegue se escapar (isso porque fora as unhas, a águia também tem pés com calosidades que impedem que a presa se solte).

Na imensidão da Floresta Amazônica, sob a copa das gigantescas árvores o gavião-real reina absoluto! No dossel da mata as harpias especializaram-se na captura de macacos de porte, como bugios e caiararas. As águias investem contra o bando, surpreendendo-o no momento em que se deslocam ou quando repousam. Com suas garras enormes – com cerca de 6 cm de comprimento -, elas cravam essa adaga no couro do bugio e o carregam. Depois com seu potente bico ela pica a vítima em pequenos pedaços para facilitar a ingestão. Contudo, não é apenas de macacos que o gavião-real se alimenta. Oportunista, não deixa passar nada: ataca e mata bichos-preguiça, serpentes, quatis e até pequenos felinos

 

 

 

 

 

 

José Henrique Moskoski

Escritor e Pesquisador de Vida Selvagem

 


permalink
|

Abrir a barra
Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para vidaselvagem

Precisa estar conectado para adicionar vidaselvagem para os seus amigos

 
Criar um blog